sábado, 24 de junho de 2017

A verdade e a Bíblia VI




A teoria do desmaio. Popularizada por Venturini há vários séculos e citada com frequência hoje, a teoria do desmaio diz que Jesus não morreu realmente; apenas desmaio por causa da exaustão e da perda de sangue.Todos pensavam que ele tinha morrido,mas ele foi depois reanimado e os discípulos pensaram tratar-se de uma ressurreição.

É bastante improvável que os soldados,executores profissionais, tivessem cometido o erro de sepultar um homem crucificado antes que ele morresse. Mas  admitindo que isso tenha acontecido,o cético David Strauss,que não cria na ressurreição, deu o golpe moral em qualquer ideia de que Jesus tivesse voltado a si de um desmaio:

"É impossível que um ser que deixara o sepulcro meio-morto, arrastando-se para fora dele fraco e doente, ansioso por tratamento médico, que exigia ataduras, fortalecimento e clemência, e que cedera finalmente aos sofrimentos, pudesse ter dado aos discípulos a impressão de que era um Vencedor da morte e da sepultura, O Príncipe da Vida, impressão essa subjacente ao seu ministério. Tal ressuscitação só poderia ter enfraquecido a impressão que fizera sobre eles na vida e na morte... [e] não pode ter absolutamente mudado a tristeza deles em entusiasmo, transformado sua reverencia em adoração."


 

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Tudo o que você precisa!


"Você jamais saberá que Jesus é tudo de que precisa até Jesus ser tudo o que você tem. Você está no deserto? Refugie-se na presença de Deus. Encontre consolo no povo de Deus."


Max Lucado


 

sábado, 17 de junho de 2017

A verdade e a Bíblia VI



...


Um túmulo vazio? Como podemos explicar o túmulo vazio? A explicação pderi estar em uma causa natural?


A situação no túmulo depois da ressurreição é importante. O selo romano fora quebrado, o que significava crucificação automática, de cabeça para baixo, para os autores da façanha. A grande pedra fora removida para longe do sepulcro maciço, e não apenas da entrada, como se tivesse sido transportada para outro ponto. Quando os guardas despertaram e descobriram o que havia acontecido, fugiram.

Este é o registro que temos nos documentos históricos.Várias teorias, porém, afirmaram que o túmulo não estava na verdade vazio.

Uma teoria proposta por Kirsopp Lake supõe que as mulheres que anunciaram que o corpo não se encontrava ali foram erradamente para outro túmulo. Em caso positivo, então os discípulos que foram verificar a declaração das mulheres devem ter também ido ao túmulo errado. Podemos estar certos, porém, que as autoridades judaicas, que haviam pedido que a guarda romana fosse colocada junto ao sepulcro para impedir o roubo do corpo, não iriam enganar-se quanto à sua localização. Os guardas romanos também não cometeriam tal engano.

Se um túmulo errado estivesse envolvido, as autoridades judaicas não teriam perdido tempo em apresentar o corpo que se achava no túmulo certo, extinguindo assim para sempre qualquer rumor de uma ressurreição. Outra tentativa de explicação alega que as aparições de Jesus pós-ressurreição não passaram de ilusões ou alucinações.

Sem nenhum apoio dos princípios psicológicos que estudam aparições ou alucinações, esta teoria também não coincide com a situação histórica ou com o estado mental dos apóstolos.

Isto nos leva à única possibilidade restante, isto é, o túmulo estava realmente vazio, como afirmaram os seguidores de Jesus, como supuseram os soldados e líderes judeus e como os cristãos sempre ensinaram. Paul Althaus declara que a ressurreição "não poderia ter sido mantida em Jerusalém durante um único dia ou hora, se o fato de o túmulo estar vazio não tivesse sido estabelecido para todos os interessados".

Paul L. Mayer conclui: "Se toda a evidência for pesada cuidadosa e imparcialmente, é realmente justificável segundo os cânones da pesquisa histórica, concluir que o túmulo em que Jesus foi sepultado estava mesmo vazio na manhã da primeira Páscoa. Nenhum traço de evidência foi ainda descoberto na epígrafe das fontes literárioas, ou na arqueologia, que pudesse refutar esta declaração".

Se o túmulo estava vazio, onde se encontrava o corpo e por que não foi apresentado? As teorias avançadas para explicar a ressurreição por causas naturais são fracas: elas acabam contribuindo par aumentar a confiança na verdade da ressurreição.



quarta-feira, 14 de junho de 2017

Corações...

"Deus examina corações. Quando encontra um coração que está Nele, Ele o chama e o reclama."

Max Lucado



sábado, 10 de junho de 2017

A verdade e a Bíblia V

O Sepultamento de Jesus.


O corpo de Jesus, de acordo com os mesmos costumes judaicos para o sepultamento, foi enrolado num tecido de linho. Cerca de cem libras de um composto de especiarias aromáticas, misturadas com uma espécie de goma, foram aplicadas a mortalha que envolvia o corpo (Jo 19.30-40). Depois de colocado num sepulcro aberto na rocha (Mt 27.60), uma enorme pedra (pesando aproximadamente duas toneladas) foi rolada por meio de alavancas contra a entrada do túmulo (Mc 16.4). Um grupo de soldados romanos formado por homens disciplinados, foi destacado para guardar o túmulo. O medo do castigo "produziu atenção estrita ao dever, especialmente no turno da noite". Justino, em seu Digest 49.6, lista dezoito ofensas pelas quais um guarda podia ser condenado à morte. Elas incluíam dormir no serviço ou deixar a posição desguarnecida. Esta guarda colocou no túmulo o selo romano, um símbolo do poder e autoridade de Roma. O selo era para impedir depredação. Quem quer que tentasse mover a pedra da entrada teria rompido o selo e transgredido assim a lei romana.

Mas o túmulo estava vazio.

...

sábado, 3 de junho de 2017

A verdade e a bíblia IV - Evidências...


Evidência de que Jesus Realmente se Levantou Dentre os mortos


A questão da ressurreição remove a pergunta "O cristianismo é válido?" da esfera da filosofia e faz dela uma questão histórica. O cristianismo tem uma base historicamente aceitável? Existe evidência suficiente para confirmar a fé na Ressurreição? A Ressurreição aconteceu de fato?

Alguns fatos relevantes da ressurreição são estes: Jesus de Nazaré, um profeta judeu que afirma ser o Cristo profetizado nas Escrituras Judaicas, foi preso, condenado como criminoso político e crucificado. Três dias depois de sua morte e sepultamento, algumas mulheres que foram até o túmulo não encontraram o corpo dele. Seus discípulos afirmaram que Deus o havia ressuscitado dos mortos e que ele lhes aparecera em várias ocasiões antes de subir ao céu. A partir deste fundamento, o cristianismo se difundiu em todo o império romano e continuou a exercer grande influência através dos séculos.

...



quarta-feira, 31 de maio de 2017


"Nós não precisamos de pedrinha de Israel, porque temos a pedra de esquina chamada Deus Emanuel"




sábado, 27 de maio de 2017

Profecias


Tabela de Profecias Messiânicas e seu Cumprimento em Cristo Jesus



1 - Profecia          - Nascido de Mulher
     Referência      - Gn 3.15
     Cumprimento -  Mt 1.30; Gl 4.4

2 - Profecia          - Nascido de uma virgem
     Referência      - Is 7.14
     Cumprimento - Mt 1.18,24-25; Lc 26-35

3 - Profecia         - Filho de Deus
     Referência     - 2Sm 7.12-16; Sl 2.7
     Cumprimento - Mt 16.16; Mc 9.7; Lc 22.70; At 13.33

4 - Profecia         - Descendente de Abraão
     Referência     - Gn 12.2,3; 22.18
     Cumprimento - Mt 1.1; Lc 23-34; Gl 3.16

5 - Profecia         - Descendente de Isaque
     Referência     - Gn 21.12
     Cumprimento - Mt 1.2; Lc 3.23-24

6 - Profecia         - Descendente de Jacó
     Referência     - Gn 35.10-12; Nm 24.27
     Cumprimento - Mt 1.2; Lc 1.33; 3.23-24

7 - Profecia         - Descendente de Judá
     Referência     - Gn 49.10; Mq 5.2
     Cumprimento - Mt 1.2; Lc 3.23-24; Hb 7.14

8 - Profecia          - Descendente de Jessé
     Referência      - Is 11.1,10
     Cumprimento - Mt 1.6; Lc 3.23,32

9 - Profecia          - Descendente de Davi
     Referência      - 2Sm 7.12222-16; Sl 132.11; Jr 12.5
     Cumprimento - Mt 1.1; 9.27;15.22; At 13.22-23

10 - Profecia          - Nascido em Belém
       Referência      - Mq 5.2
       Cumprimento - Mt 2.1; 4.8; Lc 2.4-7; Jo 7.42

11- Profecia          - Recebeu presentes
      Referência      - Sl 72.10;Is 60.6
      Cumprimento - Mt 2.1-11

12 - Profecia          - Morte de crianças
       Referência      - Jr 31.15
       Cumprimento - Mt 2.16-18

13 - Profecia          - Preexistente
       Referência      - Is. 9. 6-7; Mq 5.2
       Cumprimento - Jo 1.1-2; 8.58; 17.5; Cl 1.17; Ap 1.17

14 - Profecia          - Chamado de Senhor
       Referência      - Sl 110.1; Jr 23.6
       Cumprimento - Mt 22.43-45; Lc 2.11

15 - Profecia          - "Deus Conosco"
       Referência      - Is 7.14
       Cumprimento - Mt 1.23

16 - Profecia          - Profeta
       Referência      - Dt 18.18
       Cumprimento - Mt 21.11; Lc 7.16; Jo 4.19; 6.14; 14.7-40

17 - Profecia          - Sacerdote
       Referência      - Sl 110-4
       Cumprimento - Hb 3.1; 5.5-6

18 - Profecia          - Juiz
       Referência      - Is 33.22
       Cumprimento - Jo 5.30; 2Tm 4.1

19 - Profecia          - Rei
       Referência      - Sl 2.6; Jr 23.5
       Cumprimento - Mt 21.5; 27.37; Jo 10-33-38

20 - Profecia          - Ungido pelo Espírito Santo
       Referência      - Sl 45.7; Is 11.2; 42.1; 61.1-2
       Cumprimento - Mt 3.16-17; 12.17-21;
                                 Mc 1.10-11; Lc 4.15-21; Jo 1.32

 21 - Profecia         - Zeloso por Deus
       Referência      - Sl 69.9
       Cumprimento - Jo 2.15-17

22 - Profecia          - Precedido por mensageiros
       Referência      - Is 40.3; Ml 3.1
       Cumprimento - Mt 3.1-3; 11.10; Lc 1.17; Jo 1.23

23 - Profecia          - Ministério inicial na Galiléia
       Referência      - Is 9.1
       Cumprimento - Mt 4.12-13, 17

24 - Profecia          - Ministério de milagres
       Referência      - Is 32.3-4; 35.5-6
       Cumprimento - Mt 9.32-35; 11.4-6; Jo 11.40-47

25 - Profecia          - Mestre de parábolas
       Referência      - Sl 78.2
       Cumprimento - Mt 13.34

26 - Profecia          - Entrou no Templo
       Referência      - Ml 3.1
       Cumprimento - Mt 21.12

27 - Profecia          - Montou um jumento
       Referência      - Zc 9.9
       Cumprimento - Mt 21.6-11; Lc 19.15-37

28 - Profecia          - "Pedra de tropeço" para os judeus
       Referência      - Sl 118.22; Is 8.14; 28.16
       Cumprimento - Rm 9.32-33; 1Pe 2.7-8

29 - Profecia         - "Luz para os gentios"
       Referência     - Is 49.6; 60.3
       Cumprimento -At 13.47-48; 26. 23; 28.28

30 - Profecia          - Ressuscitados dos mortos
       Referência      - Sl 16.10; Is 53.10-12
       Cumprimento - Mt 28.6; Mc 16.16; Lc 24.46; At 2.31

31 - Profecia          - Subiu aos céus
       Referência      - Sl 68.18
       Cumprimento - Mt 28.6; Mc 16.16; Lc 24.46; At 2.31

32 - Profecia         - Sentado com Deus
       Referência     - Sl 110.1
       Cumprimento - Mc 16.19; At 2.34-35; Hb 1.3

33 - Profecia         - Traído por um amigo
       Referência      - Sl 110.1
       Cumprimento - Mt 10.4; 26.49-50; Jo 13.21


34 - Profecia          - Vendido por trinta moedas de prata
       Referência      - Zc 11.12
       Cumprimento - Mt 26.15; 17.3

35 - Profecia          - Dinheiro atirado no templo
       Referência      - Zc 11.13
       Cumprimento - Mt 27.5

36 - Profecia         - Dinheiro usado para comprar o campo do oleiro
       Referência     - Zc 11.13
       Cumprimento- Mt 27.7

37 - Profecia          - Abandonado pelos discípulos
       Referência      - Zc 13.7
       Cumprimento - Mt 26.31


38 - Profecia          - Acusado por falsas testemunhas
       Referência      - Sl 35.11
       Cumprimento - Mt 26.59-60

39 - Profecia          - Mudo diante dos acusadores
       Referência      - Is 53.7
       Cumprimento - Mt 27.12

40 - Profecia          - Ferido 
       Referência      - Is 53.5; Zc 13.6
       Cumprimento - Mt 27.26

41 - Profecia          - Agredido e cuspido
       Referência      - Is 50.6; Mq 5.1
       Cumprimento - Mt 26.67; Lc 22.63

42 - Profecia          - Alvo de zombarias
       Referência      - Sl 22.7-8
       Cumprimento - Mt 27.31

43 - Profecia          - A crucificação
       Referência      - Sl 109.24-25
       Cumprimento - Mt 27.31-32; Lc 23.26; Jo 19.17

44 - Profecia          - Mãos e pés traspassados
       Referência      - Sl 22.16; Zc 12.10
       Cumprimento - Lc 23.33; Jo 220-25

45 - Profecia          - crucificado com criminosos
       Referência      - Is 53.12
       Cumprimento - Mt 27.38; Mc 15.27-28

46 - Profecia          - orou pelos perseguidores
       Referência      - Is 53.12
       Cumprimento - Lc 23.34

47 - Profecia          - Rejeitado por seu povo
       Referência      - Sl 69.8; 118.22; Is 53.3
       Cumprimento - Mt 21.42-43; Jo 1.11; 7

48 - Profecia         - Odiado sem motivo
      Referência     - Sl 69.4; Is 49.7
      Cumprimento - Jo 15.25

49 - Profecia          - Os amigos o abandonaram
       Referência      - Sm 38.11
       Cumprimento - Mt 27.55-56; Mc 15.40; Lc 23.49

50 - Profecia          - As pessoas sacudiam a cabeça
        Referência     - Sl 22.7; 109.25
        Cumprimento - Mt 27.39

51 - Profecia         - Ficavam olhando
       Referência     - Sl 22.17
       Cumprimento - Lc 23.35

52 - Profecia         - Roupas repartidas e sorte lançada
       Referência     - Sl 22.18
       Cumprimento - Jo 19.23-24

53 - Profecia          - Sofreu sede
       Referência      - Sl 22.15; 69.21
       Cumprimento - Jo 19.28

54 - Profecia         - Ofereceram fel e vinagre
       Referência     - Sl 69.21
       Cumprimento - Mt 27.34; Jo 19.28-29

55 - Profecia         - Clamou ao sentir-se abandonado
       Referência     - Sl 22.1
       Cumprimento - Mt 27.46

56 - Profecia          - Entregou-se a Deus
        Referência     - Sl 31.5
        Cumprimento - Lc 23.46

 57 - Profecia        -  Seus ossos não foram quebrados
        Referência     - Sl 34.20
        Cumprimento - Jo 19.33

58 - Profecia         - Seu coração partiu-se
       Referência     - Sl 22.14
       Cumprimento - Jo 19.34

59 - Profecia       - Seu lado foi traspassado
       Referência     - Zc 12.10
       Cumprimento - Jo 19.34

 60 - Profecia         - Trevas sobre a Terra
        Referência     - Am 8.9
        Cumprimento - Mt 27.45

 61 - Profecia          - Sepultado no túmulo de um homem rico
        Referência      - Is 53.9
        Cumprimento - Mt 27.57-60




Fonte: Bíblia "A Rocha" - pág 1291



quarta-feira, 24 de maio de 2017

A Palavra de Deus é...


A garantia de uma religião que não se transforme em religiosidade vazia é sua aplicabilidade no contexto da casa e do caminho. Princípios e mandamentos não são orientações ritualísticas ou que visem ordenar unicamente o culto e  cerimonial que envolve sacrifícios. A Palavra de Deus é lâmpada para os pés e luz para o caminho (cfe. Salmo 119.105). É alimento para a mesa da vida, pois não só de pão vive um homem, mas de toda palavra que procede da boca de Deus (cfe. Deuteronômio 8.3).


Deus em Pessoa - Pr Marcelo Gomes 






sábado, 20 de maio de 2017

A Verdade e a Bíblia III

Objeção: Cumprimento Deliberado.


Outra objeção é que Jesus tentou deliberadamente cumprir as profecias judaicas. Esta objeção parece plausível até compreendermos que muitos dos detalhes da vinda do Messias estavam totalmente fora do controle humano. Por exemplo, o lugar do nascimento, a época da sua vinda, a maneira como ele nasceu, a traição e o preço da traição, a maneira como ele morreu, a reação do povo, as zombarias e ultrajes, os espectadores, o lançar de sortes por suas roupas, e assim por diante.Metade das profecias estava fora do seu controle; ele não poderia cumpri-las deliberadamente.Não é de admirar que Jesus e os apóstolos tivessem apelado para a profecia cumprida a fim de consubstanciar suas afirmações.

Por que Deus teve todo esse trabalho?
Creio que ele queria que Jesus cristo tivesse todas as credenciais necessárias quando veio a este mundo. Todavia, a coisa mais empolgante sobre Jesus é que ele veio para transformar vidas. Só ele provou serem corretas as centenas de profecias do Antigo Testamento que descrevem a sua vinda. E só ele pode cumprir a maior profecia de todas para os que a aceitarem, a promessa de uma nova vida. "Eu lhes darei um coração novo e porei em vocês um espírito novo. Tirarei de vocês o coração de pedra, desobediente, e lhes darei um coração bondoso, obediente. Porei o mesmo Espírito dentro de vocês e farei que obedeçam as minhas leis e cumpram todos os mandamentos que lhes dei" (Ez 36.26-27).

"Portanto se alguém está em Cristo, é nova criatura. As coisas antigas já passaram; eis que coisas novas surgiram!" (2Co 5.17).

Em vista de Jesus ter cumprido nos mínimos detalhes as profecias do Antigo Testamento relativas ao Messias, podemos extrair duas conclusões gerais sobre a credibilidade da Bíblia. Primeira, os escritores do Antigo Testamento não falaram por si mesmo, mas foram inspirados por Deus. Isto significa que aquilo que escreveram, o Antigo Testamento, é a Palavra de Deus. Segunda, em vista de Jesus ter cumprido as profecias sobre o Messias, podemos ter certeza de que ele era quem afirmou ser - o Messias, O Filho de Deus. Isto significa que tudo que ele fez e disse foi inspirado por Deus e pode ser aceito como as palavras e atos do próprio Deus.


 
 

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Sim, todos ouvirão.



Mas outros serão chamados de seus túmulos por uma voz conhecida. São ovelhas que conhecem seu pastor. São servos que abriram a porta quando Jesus Bateu.

E a porta se abrirá mais uma vez. Só que desta vez não será Jesus que vai entrar em nossa casa; seremos nós que vamos entrar na casa dele.


Max Lucado - No olho do furacão.



sábado, 13 de maio de 2017

A Verdade e a Bíblia II



Objeção: O cumprimento dessas profecias foi coincidência.

Alguns talvez façam objeção, dizendo que o fato de Jesus ter cumprido tais profecias é simplesmente uma coincidência e que você poderia encontrar cumprimento também em outras personagens históricas.
É verdade, seria possível descobrir uma ou duas profecias cumpridas em outras pessoas,mas não as 60 principais profecias e 270 ramificações.As seguintes probabilidades, extraídas do livro de Peter Stoner,Science Speaks (A ciência fala), mostram que a coincidência é excluida pela ciência das probabilidades, Stoner declara que, ao usar a moderna ciência da probabilidade em referencia a oito profecias , "descobrimos que a chance de qualquer homem que tenha vivido até o presente cumprir as oito profecias é de 1 em 10 elevado a 16". Isso seria cumprir 1 em 10.000.000.000.000.000. A fim de ajudar-nos a compreender esta impressionante probabilidade, Stoner faz uma ilustração supondo que:
Se tomarmos 10 elevado a 16 dólares em moedas e as colocarmos sobre a superfície do Texas, elas cobrirão todo o estado. Marque então uma dessas moedas e esparrame o resto delas por todo o estado. Vende os olhos de um homem e diga-lhe que pode viajar até onde quiser, mas deve apanhar uma das moedas e dizer que é a marcada. Que probabilidade ele teria de encontrara moeda certa? A mesma chance que os profetas teriam de escrever essas oito profecias e fazer com que todas se cumprissem em um único homem, desde os seus dias até o presente e desde os seus dias até o presente e desde que tivessem escrito com a sua própria sabedoria. Essas profecias, portanto, ou foram feitas por inspiração de Deus ou os profetas as escreveram conforme acharam que deveriam ser.Neste último caso eles tinham apenas uma chance em 10 elevado a 16 de fazer com que se realizassem em qualquer homem, mas todas se cumpriram em Cristo. Isto significa que o cumprimento dessas oito profecias prova que Deus inspirou os escritores delas a uma definição à qual só falta uma chance em 10 elevado a 16 para ser absoluta.

 ...continua.



quarta-feira, 10 de maio de 2017

Todos ouvirão.




Interessante. Um dia virá em que todos ouvirão a voz Dele. Um dia virá em que todas as outras vozes serão sufocadas; a voz Dele - e somente a voz Dele - será ouvida.

Alguns ouvirão a voz dele pela primeira vez. Não por ele nunca ter falado antes, mas porque nunca lhe deram ouvidos. Para esses, a voz de Deus será a voz de um estranho. Eles a ouvirão uma vez - e nunca mais tornarão a ouvi-la. Passarão a eternidade sufocando as vozes que seguiram aqui na terra.


Max Lucado - No olho do furacão.



sábado, 6 de maio de 2017

Série: A verdade e a Bíblia I

Predições sobre o Messias cumpridas por Jesus

Jesus tinha várias credenciais para apoiar suas reivindicações de ser o Messias, o Filho de Deus. Uma credencial muitas vezes negligenciada é na verdade a mais profunda: o cumprimento da profecia na sua vida. O Antigo Testamento contém mais de 60 profecias messiânicas e aproximadamente 270 ramificações cumpridas em uma única pessoa, Jesus Cristo. Para ver como todas elas apontam para uma pessoa, é útil examinar todas as predições cumpridas em Cristo como o "endereço" delas. Você provavelmente nunca compreendeu como os detalhes do seu nome e endereço são importantes. Esses detalhes, porém, o destacam dos outros bilhões de indivíduos que habitam este planeta.


Um Endereço na História -  Deus escreveu um "endereço" muito detalhado para destacar seu Filho, o Messias, o Salvador da humanidade de qualquer outro que já tenha vivido na história. As especificações deste endereço podem ser encontradas no Antigo Testamento, um documento escrito em um período de mil e trezentos anos e contendo mais de trezentas referências à vinda dele. Usando a ciência das probabilidades, descobrimos que as chances de somente 48 dessas profecias serem cumpridas em uma pessoa como sendo apenas uma em dez a potência 157 (1 em 10 elevado a 157).

A tarefa de fazer com que o endereço do Messias corresponda a um homem é ainda mais complicada pelo fato de que todas as profecias do Messias foram feitas pelo menos quatrocentos anos antes que Ele aparecesse. Alguns até discordem e digam que essas profecias foram escritas depois de cristo e arranjadas para coincidir com a sua vida. Isto talvez pareça possível até que você saiba que a Septuaginta, a tradução grega do Antigo Testamento hebraico, foi traduzida cerca de 150-200 a.C. Esta tradução grega mostra que havia um intervalo de pelo menos 200 anos entre as profecias que estavam sendo registradas e seu cumprimento em Cristo.

Deus certamente estava escrevendo um endereço na história que só o Messias poderia cumprir. Aproximadamente quarenta reivindicações foram feitas por homens como sendo o Messias. Mas só um, Jesus Cristo, apelou para a profecia cumprida a fim de consubstanciar suas afirmações, e apenas as suas credenciais apóiam essas afirmações.

...continua.


sábado, 29 de abril de 2017

Isso é Graça!






Se alguém matar seu filho e você matar essa pessoa, isso é vingança...



Se alguém matar seu filho e você entregar essa pessoa às autoridades para que ela seja julgada, isso é justiça...



Se alguém matar seu filho e você convidar essa pessoa à sua casa, perdoando-lhe completamente e ainda a adotar como filha, isso é graça!



Foi isso que Deus fez por nós!

Judith Kemp - Depressão e Graça


 

sábado, 22 de abril de 2017

Vão a todos os povos do mundo e façam com que sejam meus seguidores





         [...], você já notou como grande parte do Antigo Testamento é dedicada a narrativas de vários filhos e filhas de Abraão que foram uma bênção para os povos não judeus?
      Se não chegou a notar esse significado especial de suas histórias favoritas no Antigo Testamento, quero incluir como exemplo as seguintes informações:
  1. O próprio Abraão deu testemunho aos cananeus, filisteus, heteus e, apesar de negativamente, aos egípcios.
  2. José foi um filho de Abraão que compensou a falta de um testemunho claro por parte de seu ancestral à nação egípcia! José abençoou os egípcios de maneira verdadeiramente admirável.
  3. Os espias que entraram em Jericó antes da sua destruição tornaram-se uma benção para Raabe, uma prostituta cananeia e sua família.
  4. Noemi, filha de Abraão, foi uma benção para duas mulheres moabitas, Rute e Orfa.
  5. Moisés tornou-se uma benção para Jetro, seu sogro midianita (Ex 18.1-12).
  6.  O rei Davi fez até mesmo os seus inimigos, os filisteus, reconhecerem a grandeza de Deus.
  7. O profeta Elias foi uma bênção para a viúva de Sarepta, em Sidom (Lc 4.26).
  8. O profeta Eliseu, também foi uma bênção para Naamã, um sírio.
  9. Jonas, embora com relutância, tornou-se uma bênção para a população gentia de Nínive.
  10. O rei Salomão foi uma benção para a "Rainha do Sul", procedente de Sabá (Lc 11.31).
  11. Daniel e seus três companheiros, Sadraque, Mesaque e Abedenego, foram uma bênção para os babilônicos.
  12. Ester e seu tio Mordecai foram uma benção para todo o Império persa (v. Et 8.17).
  13. Ezequiel, Jeremias, Esdras, Neemias e outros profetas levaram a Palavra do Senhor a várias nações gentias.

[...]

E não apenas isso, mas existem também mais de 300 passagens afirmativas no Antigo Testamento que ampliam a promessa divina selada com juramento, no sentido de abençoar todas as nações da terra (v., por exemplo, o Salmo 67 e Isaías 49.6).

O Fator Melquisedeque - Don Richarson - Ed. Vida Nova


  

domingo, 16 de abril de 2017

Páscoa



Celebre a Páscoa e agradeça a Deus pelo sangue de Jesus derramado por nós.


Uma noite antes de entregar a vida para expiar os pecados da humanidade, Jesus celebrou a Páscoa com os seus discípulos. Chegara o dia em que o Cordeiro deveria ser morto. Cristo então enviou Pedro e João a fim de que fizessem os preparativos e assim pudessem comemorar juntos.
Os discípulos, seguindo a instrução de Jesus, prepararam a refeição. Depois que todos já se haviam postado ao redor da mesa, Jesus, sabendo que em poucas horas ia ser torturado e morto, declarou: “Desejei ansiosamente comer esta Páscoa com vocês antes de sofrer. Pois eu lhes digo: Não comerei dela novamente até que se cumpra no Reino de Deus” (Lc 22. 15,16).
Enquanto comiam, Jesus pegou o pão, deu graças, partiu-o e o entregou aos discípulos, dizendo: “Isto é o meu corpo dado em favor de vocês; façam isto em memória de mim” (v. 19).
Então tomou o cálice nas mãos e explicou: “Este cálice é a nova aliança no meu sangue, derramado em favor de vocês” (v. 20).
Foi um momento maravilhoso na celebração daquela festa tão importante. Em poucas horas Jesus se tornaria o Cordeiro imaculado do sacrifício, morto para remover os pecados da humanidade!
Deus determinou que a Festa da Páscoa seja celebrada para sempre, por todas as gerações, começando com Moisés e os filhos de Israel: “Estas são as festas fixas do SENHOR, as reuniões sagradas que vocês proclamarão no tempo devido: a Páscoa do SENHOR, que começa no entardecer do décimo quarto dia o primeiro mês” (Lv 23. 4,5). E também: “Este dia será um memorial que vocês e todos os seus descendentes celebrarão como festa ao SENHOR. Celebrem-no como decreto perpétuo” (Ex 12. 14).
Deus enfatizou que essas eram as suas festas e se referiu à Páscoa como a “Páscoa do Senhor”. Os filhos de Israel iniciavam o ano com essa festividade, realizando-a no décimo quarto dia do primeiro mês, durante a primeira colheita da cevada, o que corresponde ao mês de abril em nosso calendário.
O propósito de Deus ao estabelecer essa festa era lembrar a todos a libertação sobrenatural de Israel do cativeiro e o cordeiro do sacrifício, que os protegera do anjo da morte, quando este veio matar os primogênitos dos egípcios.
A Páscoa deveria ser um tempo de regozijo e celebração. O termo “Páscoa” vem do hebraico pessach e significa “passar por cima”, uma alusão a passagem do anjo da morte sobre as casas ungidas com sangue.
Para relembrar a libertação do cativeiro, no décimo dia do mês, cada família selecionava um cordeiro, um para cada casa. O animal tinha de ser macho de um ano e não podia ter defeitos (Êx 12. 3,5,6).
No décimo quarto dia, o chefe de cada casa matava o cordeiro e o apresentava ao sacerdote, que aspergia o sangue do animal sobre o altar. O sangue também era borrifado, com um ramo de hissopo, na verga e nos umbrais da porta de entrada da casa do ofertante.
Na mesma noite, todos os familiares se reuniam e comiam a Páscoa. O cordeiro era assado, e eles o comiam com pão sem fermento e ervas amargas. Antes e depois da refeição, os israelitas cantavam o hallel: iniciavam entoando os Salmos 103 e 104 e terminavam cantando os Salmos 105 a 108.
Foi essa mesma refeição que Jesus celebrou com seus discípulos. Ao tomar o pão, dar graças e distribuí-los aos discípulos, estava se identificando com o holocausto. Ao passar-lhes o cálice de vinho, informou-lhes de que o seu sangue seria derramado para purificar a humanidade do pecado.
Jesus declarou aos discípulos: “Desejei ansiosamente comer esta Páscoa com vocês antes de sofrer” (Lc 22.15). Ele era o Cordeiro que foi morto desde a fundação do mundo (Ap 13.8). Muito antes que a terra fosse tomada, Ele estava aguardando esse dia, em que ia entregar a própria vida em sacrifício.
Por meio de sua morte, Jesus cumpriu a Páscoa. Como Cordeiro de Deus, foi morto, e o seu sangue foi derramado para nos redimir dos pecados. “Ele foi oprimido e afligido; e, contudo, não abriu a sua boca; como um cordeiro foi levado para o matadouro, e como uma ovelha que diante de seus tosquiadores fica calada, ele não abriu a sua boca” (Is 53.7).
O sangue do cordeiro colocado nos umbrais da porta protegeu os israelitas do anjo da morte, pois foi esse o meio que Deus usou para livrá-los do cativeiro egípcio.
O sangue de Cristo derramado na cruz e aspergido sobre a nossa vida nos purifica do pecado e nos livra da escravidão de Satanás e da morte eterna. O sangue de Cristo é a base para nossa libertação.
Não somos mais escravos do pecado, e sim filhos de Deus! Não temos mais de permanecer presos à doença, às moléstias ou à pobreza. Já fomos libertos! O sangue do Cordeiro imaculado de Deus nos libertou! Estamos livres do pecado e de suas consequências. Deus já concedeu a provisão plena para suprir todas as nossas necessidades!
A vontade de Deus é que guardemos a Páscoa. Paulo recomenda aos coríntios: “Livrem-se do fermento velho, para que sejam massa nova e sem fermento, como realmente são. Pois Cristo, nosso Cordeiro pascal, foi sacrificado. Por isso, celebremos a festa, não com fermento da maldade e da perversidade, mas com os pães sem fermento, os pães da sinceridade e da verdade” (1Co 5.7,8).
O apóstolo recomendou que “celebremos a festa”, mas como fazer isso?
Jesus declarou: “Façam isto em memória de mim” (Lc 22.19). participar da Ceia do Senhor é mais que cumprir ordenança. Guardamos a festa da Páscoa aspergindo o sangue em nossa vida, pela fé. CRISTO É O NOSSO CORDEIRO PASCAL SACRIFICADO EM NOSSO LUGAR!
O “fermento velho” ao qual Paulo se refere é o pecado.
O pão sem fermento, comido durante a refeição da Páscoa com o cordeiro assado, representava a vida pura e sem pecado de Cristo. Era feito com farinha fina e assado em forma de panqueca. Durante a festa, não podia haver nenhum tipo de fermento na casa dos israelitas. Os filhos de Israel faziam uma inspeção rigorosa na despensa para ter a certeza de que não havia mais vestígio de fermento na casa.
Sabendo que o sangue de Cristo nos libertou completamente da escravidão de Satanás, devemos purificar-nos de todo o pecado. O “fermento” da maldade e da perversidade deve ser lançado fora. Da mesma forma em que não podia haver fermento na casa dos israelitas durante a Páscoa, devemos consagrar-nos a Deus e anular as obras da carne.
Assim como os israelitas comeram o cordeiro pascal e receberam força e suprimento para a sua jornada após a libertação do cativeiro do Egito, devemos buscar o nosso alimento espiritual e a nossa força – enfim, toda a nossa vida – na comunhão com o Senhor.
Guardamos a Páscoa tomando posse, pela fé, das provisões divinas: salvação, libertação, cura, força, sabedoria e tudo o mais que Ele reservou para nós!



Bíblia de Estudo – Editora Central Gospel – págs. 1329 e 1330