sábado, 29 de outubro de 2016

selada com o testemunho interior do Espírito.




A Palavra não encontrará aceitação no coração dos homens antes que seja selada com o testemunho interior do Espírito. Por isso, o mesmo Espírito que falou pela boca dos profetas tem de penetrar em nosso coração a fim de nos persuadir de que eles proclamaram com fidelidade aquilo que lhes havia sido ordenado por Deus [...].
Mesmo que, devido à sua própria majestade, por si mesma conquiste o respeito, ela somente nos afeta de maneira séria quando, por meio do Espírito, é selada em nosso coração. Portanto, iluminados pelo poder do Espírito, é selada em nosso coração. Portanto, iluminados pelo poder do Espírito, cremos, não com base em nosso próprio juízo nem no de qualquer outra pessoa, que as Escrituras procedem de Deus; mas, acima de juízo humano, afirmamos com certeza absoluta [...] que a Palavra chegou até nós vinda da própria boca de Deus, por intermédio do ministério de homens.

João Calvino



quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Da série: quer que eu desenhe?


"...por que sem mim NADA podeis fazer."
 
 
 
 
 
 
Significado de nada:
nada
pronominal
  1. 1.
    pronominal indefinido
    coisa nenhuma.
    "n. se faz ali"
  2. 2.
    advérbio
    de modo nenhum, em grau nenhum.
    "não é n. bobo"
     
     
     
     
     
    jairtomaz@olheparaacruz.com.br
     

sábado, 22 de outubro de 2016

Como um cristão deve relacionar-se com o movimento da Nova Era?




Embora os vestígios de uma perspectiva bíblica ainda sejam evidentes, pesquisas de opinião revelam que as crenças doutrinárias de, talvez, uma terça parte dos ocidentais,podem ser caracterizados como de Nova Era. As ideias deste Movimento da Nova Era (MNE) são amplamente, e às vezes subconscientemente, disseminados por meio da televisão (por exemplo, o programa de Opra Winfrey) e dos filmes (por exemplo, Guerra nas Estrelas). O MNE também tornou-se um grande negócio, com suas miríades de seminários de autoajuda, publicações e guias para oração (de modo frequentemente imitando tradições cristãs), e livros.

Os seguidores do movimento muitas vezes rejeitam a expressão "Nova Era" devido às suas conotações.De qualquer forma, um nome melhor talvez seja "religião pós moderna", em vista das suposições que ela tem em comum com o pós-modernismo filosófico. Rejeitando, de modo geral, uma abordagem científica ou analítica (modernista) à vida, os seguidores creem que o conhecimento é construído de maneira subjetiva e determinado socialmente. A verdade não é universal para todos os humanos, mas pode variar, de acordo com o que "funciona" para alguns, e não para outros. Os valores morais não são universalmente objetivos, mas apenas propriedades de comunidades que decidem aderir a eles. As pessoas adeptas à perspectiva do MNE consideram a realidade como um conjunto unificado em evolução; na verdade, eles muitas vezes consideram Deus como sendo um nome para este conjunto. Eles desdenham particularmente o cristianismo bíblico, devido às suas reivindicações de ser a verdade universal.

Uma vez que o MNE não está sob a autoridade de nenhum texto religioso em particular, os proponentes são identificados por vários "sintomas", como os seguintes: eles preferem a prática da espiritualidade às organizadas e clássicas de religião; eles creem que nenhum professor religioso pode reivindicar a adesão de todos; as declarações de Jesus como sendo o Caminho devem ser reinterpretadas ou completamente rejeitadas;de acordo com eles, em lugar da graça de Deus revelada completamente rejeitadas; de acordo com eles, em lugar da graça de Deus revelada no Jesus da Bíblia, "anjos", forças paranormais ou até mesmo o potencial humano puro servem como "salvadores" das dificuldades da raça; misturando e combinando os objetos de adoração, eles muitas vezes identificam-se simultaneamente com palavras como budista, judeu e presbiteriano. Em última análise, o MNE representa um retorno ao politeísmo, ou a crença em vários falsos deuses.

Como, então, devem os cristãos começar a compartilhar Cristo com os que pertencem ao MNE? Muitas vezes, é uma discussão sobre a verdade que abre o caminho. Se a verdade universal e objetiva não existe, então as declarações do Evangelho são falsas. Mas todas as pessoas vivem como se as crenças cotidianas devessem corresponder a realidade (por exemplo, ninguém consegue viver de veneno, em lugar de água). Assim sendo, por que alguém deve defender que a crença em Deus e na vida após a morte é, de alguma maneira, diferente? A incoerência nos assuntos cotidianos é considerada desonesta e irracional ("Sim, senhor guarda, aquele carro parado em fila dupla é meu, mas não é meu"). Por que, então aceitar declarações do tipo: "Cristo pode ser verdadeiro para você, mas não para mim?'

À primeira vista, o tratamento de má qualidade dispensado à verdade no MNE faz com que ele pareça mais tolerante que o cristianismo. Mas, na verdade, ele considera, de maneira condescendente, as declarações de todas as outras religiões como erradas, ignorantes, e divisoras, crendo que somente os que estão no MNE veem o quadro completo; outras religiões, concentradas em seus ensinamentos tradicionais, não tem ciência da profunda unidade oculta entre todas as religiões. Mas, há uma boa razão para crer que realmente existem muitos caminhos para o céu? Como alguém pode afirmar conhecer a verdade universal (especialmente se não existem verdades universais)? Os mapas rodoviários não pressupõem que há apenas um caminho que pode levar a um destino. Os caminhos podem ser escolhidos pelo seu percurso tranquilo ou pelas suas belas paisagens, mas nem todas levam ao mesmo lugar.

Ted Cabal



quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Alimento.


"Alimente seus medos, e sua fé morrerá de fome. Alimente sua fé, e seus medos é que morrerão."

sábado, 8 de outubro de 2016

Pode alguma coisa ser verdadeira para você e não para mim?




"Tudo é relativo". "É verdade para você, mas não para mim". "É apenas a sua realidade". "Quem é você, para impor os seus valores aos outros?"

O relativista crê que a verdade funciona como a opinião ou perspectiva, e que a verdade depende da nossa cultura, do contexto, ou até mesmo de escolhas pessoais. Assim se explicam os atos perversos de nazistas ou terroristas ("Não gostamos, mas eles tem as suas razões"). O relativismo, no entanto, tem sérias falhas.

O relativismo não pode deixar de proclamar uma verdade que corresponde à realidade. "A lua é feita de queijo" é uma afirmação falsa, porque não está de acordo com a maneira como as coisas são. Como cristãos, declaramos que a história bíblica é verdadeira, porque está em conformidade com as realidades da existência de Deus e das suas atitudes para com os seres humanos. A verdade é um relacionamento - uma combinação com aquilo que é real ou com aquilo que é fato. Uma ideia é falsa quando não combina com o que é real ou fato. Mas o que dizer dos que fazem declarações como: "A realidade é como um monte de barro - podemos moldá-la da maneira que quisermos!" (uma ideia relativista, conhecida como antirrealismo). Nós podemos com razão, questionar estas declarações. Afinal, estas pessoas creem que o seu ponto de vista corresponde à maneira como as coisas são. Se você discordar delas, elas provarão que você está errado. Observe também que elas acreditam que exista pelo menos uma coisa que não está sujeita à manipulação humana - especificamente, a realidade inabalável de que a realidade é como um monte de barro que podemos moldar da maneira como quisermos! Assim, podemos perguntar: "Esta ideia do monte de barro é algo que você inventou?" Se ela se aplica a todos, então a declaração é incoerente. Se não se aplica a todos, então não é nada além da perspectiva de uma pessoa. Por que levá-la a sério? E se não existir uma verdade ou realidade objetiva, como saberemos que as nossas crenças não são ilusórias ou enganosas?

O relativismo contradiz a si mesmo. Se alguém afirmar ser um relativista, não acredite. Um relativista dirá que sua crença é verdadeira para você, mas a dele é verdadeira para ele, e que não existe uma verdade objetiva que se aplique a todas as pessoas. O único problema é que esta mesma afirmação é uma verdade objetiva, que se aplica a todas as pessoas! (Mesmo quando ele diz: "É verdade para você, mas não para mim", ele acredita que a sua perspectiva se aplica a mais do que uma pessoa!). Para mostrar a natureza contraditória do relativismo, podemos simplesmente introduzir declarações relativistas da seguinte forma, com os seguintes prefácios: "É objetivamente verdade que "isto é para você, mas não para mim"", ou: "É verdade que "Não existe verdade"". A contradição torna-se aparente. Ou o que dizer da vertente de que a crença sincera torna alguma coisa (budismo, marxismo, cristianismo) verdade? Devemos perguntar: este princípio é universal e absoluto? É verdade, ainda que eu não acredite nele sinceramente? Isto é, e se eu acreditar sinceramente que a crença sincera não torna alguma coisa verdadeira? As duas perspectivas não podem, obviamente, ser verdadeiras.

A base e a conclusão do relativismo são objetivamente verdadeiras. Pergunte a pessoa relativista por que ela adota esta perspectiva. Provavelmente, ela dirá: "Muitas pessoas acreditam em muitas coisas diferentes". O problema aqui é que ela acredita que isto seja universalmente verdadeiro e indiscutível. Além disso, ela acredita que a conclusão lógica a se extrair da grande coletânea de crenças é que o relativismo deve ser o correto. A pessoa relativista não acredita que todas estas crenças diferentes sejam uma questão de preferência pessoal. A base para o relativismo (a variedade de crenças) e a conclusão de que o relativismo obviamente deriva dela, acabam sendo lógicas e objetivamente verdadeiras - para todas as pessoas, não apenas para a pessoa relativista!

O relativismo será sempre seletivo. As pessoas normalmente não são relativistas sobre a lei da gravidade, sobre bulas de remédio ou sobre o rendimento de ações. Normalmente, são relativistas no que diz respeito à existência de Deus, à moralidade sexual, ou a trapaças em exames. Os direitos e o relativismo não se misturam. Mas se "tudo é relativo", por que se irritar com os outros?

O relativismo normalmente é motivado por um objetivo pessoal - a busca de autocontrole. John Searle, filósofo ateu, revela o que está por trás do relativismo: "Ele satisfaz uma necessidade básica de poder. Mas, de alguma maneira, parece excessivamente desagradável e revoltante que tenhamos de estar à mercê do 'mundo real'". Nós queremos estar no controle. Agora, apontar a motivação de alguém não é um argumento contra o relativismo; ainda assim, é uma consideração digna de nota. A verdade frequentemente é menos importante do que a liberdade. Mas está claro: quando uma pessoa ignora os argumentos em favor da inevitabilidade da verdade objetiva com um "tanto faz", tem em mente outro objetivo. O relativismo não nos faz exigências pessoais - amar a Deus, ser uma pessoa íntegra, ajudar a melhorar a sociedade. Embora o relativismo seja falso, é conveniente para algumas pessoas.


Paul Copan




quarta-feira, 5 de outubro de 2016

O que é certo...

Fé não é crer que Deus vai fazer aquilo que você quer. Fé é crer que Deus vai fazer o que é certo.

sábado, 1 de outubro de 2016

A pedra da oração.



Observe o vale entre seu polegar e o indicador. Para passar de um para o outro, você tem de atravessá-lo. Deixe que ele o faça se lembrar da queda de Davi. Antes de subir, Davi desceu; antes de subir para lutar, Davi desceu para se preparar. Não enfrente seu gigante sem, primeiro, fazer o mesmo. Dedique tempo a oração.

O apóstolo Paulo escreveu: "Orem no Espírito em todas as ocasiões, com todo oração e súplica;tendo isso em mente, estejam atentos e perseverem na oração" (Efésios 6.18).

A oração gerou os sucessos de Davi. Sua sabedoria junto ao ribeiro de Besor brotou do momento em que ele "(se fortaleceu) no SENHOR, o seu Deus" (1 Samuel 30.6). Quando os soldados de Saul tentaram capturá-lo, Davi voltou-se para Deus: "Tu és o meu alto refúgio, abrigo seguro nos tempos difíceis " (Salmo 59.16).

Como você sobrevive a uma vida de fugitivo nas cavernas? Davi sobreviveu com orações desse tipo: "Misericórdia, ó Deus; misericórdia pois em ti a minha alma se refugia. Eu me refugiarei à sombra das tuas asas, até que passe o perigo. Clamo ao Deus altíssimo, a Deus, que para comigo cumpre o seu propósito" (Salmo 57.1,2).

Quando Davi mergulhava sua mente em Deus, ele levantava-se. Quando não, ele caía. Você acha que ele passou muito tempo em oração na noite em que seduziu Bate-Seba? Que ele escreveu um salmo no dia em que assassinou Urias? Improvável.

Marque bem essa promessa: "Tu, SENHOR, guardarás em perfeita paz aquele cujo propósito está firme, porque em ti confia" (Isaías 26.3).  Deus não promete apenas paz, mas perfeita paz. A paz não adulterada, não manchada, não impedida. Para quem? Para aqueles cuja mente está "concentrada" em Deus. Esqueça as espiadas ocasionais. ponha de lado as reflexões feitas ao acaso. A paz prometida àquele que fixa os pensamentos e os desejos do rei.

Peça a ajuda de Deus. Escolha a pedra da oração. E não negligencie...


Max Lucado