sábado, 16 de setembro de 2017

O mal é um teste. III





O mal é obra de Satanás, como se vê no livro de Jó. Ele procura, constantemente, provar a Deus, o seu Senhor, que o homem é indigno do amor e da misericórdia de Deus. É o teste do qual emerge o verdadeiro bem -saindo do mal, a despeito do mal, triunfando sobre o mal.


Sublime Redenção - Milton Azevedo


sábado, 9 de setembro de 2017

O Antigo Testamento é digno de Confiança?


O que deve fazer um leitor moderno do Antigo Testamento com um Livro que ensina o sacrifício de animais, a circuncisão dos homens, estranhos códigos de leis alimentares e festas baseadas em um ciclo agrícola? O seu conteúdo parece ser tão antigo, e, portanto, tão distante de nossos dias, que alguns o descartam, como uma "religião primitiva".



Contrárias a esta avaliação prematura, sete afirmações mostram que o Antigo Testamento é, ao mesmo tempo, relevante e completamente digno de confiança.

1- Em todas as partes do Antigo Testamento, os autores declaram a origem divina de seus textos. Uma destas declarações inspiradas vem do cerne do Antigo Testamento: os Dez Mandamentos. "Tábuas de pedra, escritas pelo dedo de Deus" (Ex 31.18; Dt 5.22). Mais regularmente, no entanto: "O Espírito do Senhor falou por [seus profetas], e a sua palavra esteve em [sua] boca" (2 Sm 23.2). Em nossa opinião, na verdade, Natã, o profeta, sabia que tinha proferido as mesmas palavras da divina revelação. Quando ele proferiu a mensagem de Deus, ele usava um prefácio, como faziam constantemente os profetas do Antigo Testamento, dizendo: "Assim diz o Senhor" (2 Sm 7.5). Mesmo nos livros de sabedoria do Antigo Testamento, Agur se apresentou como deficiente e ignorante. Ele reclamou: "Eu sou mais bruto do que ninguém; não tenho o entendimento do homem, nem aprendi a sabedoria, nem tenho o conhecimento do Santo" (Pv 30.2, 3). Como, então, ele soube como ou o que escrever sobre Deus? Ele fez as mesmas perguntas no verso 4. Mas nos versos 5 e 6, ele tinha a resposta: "Toda palavra de Deus é pura [...] Nada acrescentes às suas palavras, para que não te repreenda, e sejas achado mentiroso". A primeira parte do versículo 5 é uma citação de Salmos 18.30, ao passo que o verso 6 é uma citação de Deuteronômio 4.2b.

2- Os 39 livros do Antigo Testamento foram imediatamente recebidos como confiáveis e canônicos (pertencentes às Escrituras). Uma das noções equivocadas mais frequentemente é a de que um grupo de acadêmicos realizou um concílio rabínico em Jamnia, em 90 d.C., para decidir quais livros considerariam confiáveis para compor o Antigo Testamento. Mas isto é incorreto, pois: (1) as decisões do concílio não tiveram autoridade obrigatório; (2) as discussões nesse concílio foram meramente sobre as interpretações corretas dos livros de Eclesiastes e cantares; e (3) a lista de livros que eles consideraram canônicos eram os mesmos 39 livros do nosso Antigo Testamento atual. Na verdade, os livros do Antigo Testamento como sendo, realmente, a revelação de Deus. Daniel, escrevendo aproximadamente 75 anos depois do profeta Jeremias, considerou a profecia escrita por Jeremias sobre os 70 anos do cativeiro (Jr 25.11, 12) como a "palavra do Senhor" (Dn 9.2). Na verdade, ele colocou o livro de Jeremias entre "os livros", isto é, no grupo de livros, chamados de Escrituras.

3- O texto dos livros do Antigo Testamento foi singularmente preservado, quando comparado com outros textos antigos. Antes da descoberta dos pergaminhos do mar Morto, em 1947, nós estávamos limitados ao texto grego da Septuaginta, ao Pentateuco samaritano e ao texto hebraico dos papiros Nash, que datam aproximadamente de 1000 d.C., para verificação da exatidão da preservação do texto do Antigo Testamento. Tudo isto mudou. Nos 800 exemplares de textos bíblicos do Antigo Testamento, nos pergaminhos do mar Morto, agora possuímos textos de 250 a.C. a 50 d.C. Além disto, o exemplo mais antigo de um texto do Antigo testamento é Números 6.24-26, de meados do século VII a.C., nas tábuas de Ketef Hinnom. Tão cuidadosamente preservados estão estes textos que, quando os acadêmicos estudaram os pergaminhos do mar Morto de Isaías, somente três modificações ortográficas sem importância (comparáveis à diferença entre as grafias "Saviour" e "Savior", em inglês [Salvador, em português]) foram encontrados em um texto que abrange aproximadamente 100 páginas em muitas traduções em inglês. Este é um registro notável de preservação do texto da Bíblia, que representa mais de mil anos de cópia do texto original.

4- A cronologia histórica encontrada nas anais dos reis de Israel e Judá é completamente verificada e confiável. Se a cronologia é a espinha dorsal da história, então era necessário que alguém decifrasse as datas e os sistemas de correlação entre os reis do norte de Israel e Judá, para que alguma confiabilidade, além de sentido, fosse verificado nestas dezenas de números encontrados nos livros de Reis e Crônicas. Mas foi exatamente isto o que fez Edwin Thiele, como dissertação de doutorado para a Universidade de Chicago. Em primeiro lugar, ele estabeleceu uma data absoluta (no nosso calendáro Juliano) em 15 de junho de 763 a.C., com base nas citações astronômicas das listas assírias de Eponun, Homem do Ano. Estas listas anuais também fizeram referências a vários reis hebreus, desta maneira fornecendo excelentes sincronismos. Com base nisto, ele conseguiu demonstrar como cerca de 500 números (todos, exceto um, que foi solucionado posteriormente) eram facilmente conciliáveis, e totalmente confiáveis, em cada detalhe.

5- A arqueologia ajudou a mostrar que a cultura, as pessoas e os eventos do Antigo Testamento são confiáveis. As descobertas arqueológicas provaram a confiabilidade do Antigo Testamento. Onde, supostamente, havia pessoas mencionadas no antigo Testamento, mas não conhecidas com base em fontes externas, como o rei Sargão de Isaías 20.1, ou o governador Sambalaque, de Samaria (Ne 2.10), ou os reis Davi, Acabe, Jeú e Ezequias, Menaém e até mesmo um profeta, Balaão, em cada caso descobertas espetaculares defenderam as declarações do Antigo Testamento. De igual maneira, onde o Antigo Testamento afirmava que havia povos como os heteus ou os horeus, descobertas posteriores confirmaram a presença destes povos, bem como outros aparentemente desaparecidos. Uma lista similar de supostos lugares desaparecidos pôde ser construída, como a terra de ophir ou os lugares ao longo da rota das peregrinações no deserto pela Transjordânia. Ainda uma vez mais, a arqueologia foi de grande ajuda. Isto não quer dizer que todos esses povos e lugares, supostamente criados pelo Antigo Testamento, foram completamente identificados. por exemplo, ainda não conseguimos encontrar comprovação externa para Dario, o medo (Dn 5.31). Mas o sucesso da arqueologia, apenas no século XX, é assombroso, em seu conteúdo e na profundidade de sua influência.

6- A forma literária atual dos livros nos vem de tempos antigos, e na forma final em que possuímos atualmente. nenhuma seção do Antigo Testamento recebeu mais exame dos críticos do que os cinco primeiros livros de Moisés, o Pentateuco. Houve alegações de que livros não se originavam de inspiração divina a Moisés, aproximadamente em 1400 a.C., mas que, na verdade, vinham das mãos de pelo menos quatro compiladores principais (chamados J. E. D e P), desde o século VIII a.C., com a última inserção e a edição final datando de 400 a.C.! No centro desta teoria, estava o livro de Deuteronômio, que os acadêmicos críticos afirmavam ter sido escrito em 621 a.C., quando o rei Josias encontrou o Livro da Lei. Mas o livro de Deuteronômio exibe o formato literário que é singular a tratados de suserania heteus (aprox. 1200-1400 a.C., a metade do segundo milênio) sendo as mesmas seis seções desses tratados encontradas no ivro de Deuteronômio. Se Deuteronômio tivesse sido compilado no primeiro milênio (621 a.C.), como afirmam os críticos, ele se assemelharia aos tratados assírios que, naquela época, tinham extinguido duas das seis seções. Assim, d acordo com as formas literárias e com os critérios dos próprios críticos, o livro essencial entre os discutidos cinco primeiros livros deve ser datado nos dias em que viveu Moisés (isto é, aprox. 1400 a.C.).

7- Os autores do Antigo Testamento estavam cônscios de que escreviam, não somente para a sua geração, mas também para as que viriam depois. A maneira mais conveniente de provar isto é examinar 1 Pedro 1.12, onde o apóstolo declarou: "Foi revelado [aos profetas do Antigo Testamento] que, não para si mesmos, mas para nós [o povo da geração de Pedro, e nós], eles ministravam estas coisas".


Walter C Kaiser Jr



sábado, 2 de setembro de 2017

O mal é um desafio - II



O mal é um desafio no coração do homem e no seu meio ambiente. Ele não pode fechar os olhos ao mal e dele fugir. O Homem é compelido a encará-lo, depois ceder ou conquistá-lo. Isso provê a competição sem a qual não poderá existir vitória moral. Se não houvesse mal para superar, não haveria bondade para se concretizar. A bondade é o triunfo sobre o mal.

Sublime Redenção - Milton Azevedo





 

sábado, 26 de agosto de 2017

A Bíblia foi Copiada com Exatidão ao Longo dos Séculos?




A Bíblia foi Copiada com Exatidão ao Longo dos Séculos? 
   A Bíblia é o livro do mundo antigo que é transmitido com maior exatidão. Nenhum outro livro antigo tem tantos manuscritos, ou tão antigos, ou copiados com tanta precisão.


   O Antigo Testamento

   A confiabilidade do Antigo Testamento está baseada em três fatores: a sua abundância, datação e exatidão. Muitas obras da antiguidade sobrevivem apenas em um punhado de manuscritos: somente 7 para Platão, 8 para Tucídides, 8 para Heródoto, 10 para Gallic Wars, de César, e 20 para Tácito. Somente as obras de Demóstenes e Homero chegam a ter centenas de manuscritos. Mas mesmo antes de 1890, um estudioso chamado Giovanni de Rossi publicou 731 manuscritos do Antigo Testamento, em Geniza, no Cairo, e, em 1947, as cavernas do Mar Morto, em Qumran produziram mais de 600 manuscritos do Antigo Testamento.
   Além disto, os Pergaminhos do Mar Morto, que contêm pelo menos fragmentos de todos os livros do Antigo Testamento com excessão do Livro de Ester, todos datam de antes do fim do século I D.C., e alguns  do século III A.C. O Papiro Nash está datado entre o século II A.C. e o século I D.C.
   A exatidão dos manuscritos é conhecida, com base em evidências internas e externas: (1) Sabe-se que a reverência dos escribas judeus pelas Escrituras levou à sua transmissão cuidadosa; (2) O exame de passagens duplicadas (por exemplo, Sl 14 e Sl 53) mostra transmissão paralela; (3) A Septuaginta, que é a antiga tradução do Antigo Testamento ao idioma grego, está substancialmente de acordo com os manuscritos hebreus; (4) A comparação do Pentateuco Samaritano com os mesmos livros bíblicos preservados na tradição judaica mostra íntima similaridade; (5) Os Manuscritos do Mar Morto fornecem manuscritos que datam de mil anos antes do que muitos usados para estabelecer o texto hebraico.
   Estudos comparativos revelam uma identidade palavra por palavra, em 95 por cento do texto. Variantes de menor importância consistem, principalmente, de erros de escrita ou de grafia. Somente 13 peuqenas variações foram descobertas em toda a cópia de Isaías do Manuscritos do Mar Morto, das quais oito eram conhecidas de outras fontes antigas. Depois de mil anos de cópias, não houve mudança de significado, e praticamente não houve nenhuma mudança no uso de palavras!



   O Novo Testamento

   A confiabilidade do Novo Testamento é estabelecida porque o número, a data e a exatidão de seus manuscritos permitem a reconstrução do texto original, com mais precisão do que qualquer outro texto antigo. O número de manuscritos do Novo Testamento é impressionante (quase 5700 manuscritos gregos) em comparação com os livros típicos da antiguidade (cerca de 7 a 10 manuscritos; a Ilíada, de Homero, é a obra que tem a maior quantidade de manuscritos, 643). O Novo Testamento é simplesmente o livro mais respaldado textualmente do mundo antigo.
   O mais antigo manuscrito do Novo Testamento, sobre o qual não paira nenhuma disputa, é o papiro de John Rylands, com data entre 117 e 138 D.C. Livros inteiros (por exemplo, os contidos nos papiros Bodmer) estão disponíveis a partir do ano 200. A grande parte do Novo Testamento, incluindo todos os Evangelhos, está disponível nos manuscritos de Chester Beatty Papyri, que datam aproximadamente de 250 D.C.
   O famoso estudioso britânico de manuscritos, Sir Frederick Kenyon, escreveu: "O intervalo, então, entre as datas da composição original e a mais antiga evidência existente se torna tão pequeno, a ponto de ser, na verdade, insignificante, e a última fundação para qualquer dúvida de que as Escrituras nos tenham vindo substancialmente, da maneira como foram escritas, agora foi removida". Assim, tanto "a autenticidade como a integridade geral dos livros do [NT] podem ser considerados firmemente estabelecidas". Nenhum outro livro antigo tem um intervalo tão pequeno de tempo, entre a sua composição e as suas primeiras cópias manuscritas, como o Novo Testamento.
   Não apenas há mais manuscritos do Novo Testamento, e mais antigos, como também foram copiados com mais exatidão do que outros textos antigos. O estudioso do Novo Testamento e professor em Princeton, Bruce Metzger, fez uma comparação do Novo Testamento com a Ilíada de Homero e o Mahabharata, do hinduísmo. Ele descobriu que o texto desta última obra representa apenas 90 por cento do original (com 10 por cento de correção textual); a Ilíada era 95 por cento pura, e somente meio por cento do texto do Novo Testamento permanecia em dúvida. O estudioso grego A. T. Robertso avaliou que as dúvidas textuais do Novo Testamento tem a ver apenas com "uma milésima parte de todo o texto", avaliando a exatidão do texto do Novo Testamento em 99,5 por cento - a maior exatidão conhecida para qualquer livro do mundo antigo. Sir Frederick Kenyon observou que o "número de [manuscritos] do Novo Testamento, de traduções antigas dele, e de citações feitas dele nos autores mais antigos da igreja, é tão grande que é praticamente certo que o texto original de cada passagem duvidosa esteja preservado, em uma ou outra destas autoridades antigas. Não é possível dizer isto sobre nenhum outro livro antigo do mundo".
   Em resumo, o grande número, as datas antigas e a exatidão incomparável das cópias manuscritas do Antigo e do Novo Testamento, estabelecem a confiabilidade da Bíblia, muito além da de qualquer outro livro antigo. A sua mensagem substancial não foi reduzida com o passar dos séculos, e a sua exatidão, até mesmo em detalhes menos importantes, foi confirmada. Assim, a Bíblia que temos hoje em nossas mãos é uma cópia altamente confiável do original, que nos veio das penas dos profetas e dos apóstolos.

Norman L. Geister

Fonte: Bíblia de Estudo Defesa da Fé- CPAD - págs. 540 e 541
 
 
 
 
 

sábado, 19 de agosto de 2017

O mal é o preço da liberdade moral - I




A liberdade moral é baseada na livre escolha entre o bem e o mal. Se não houvesse alternativa, as decisões humanas seriam impossíveis; o homem não poderia ser nem livre nem moral. Deve haver liberdade para pecar se deve haver liberdade para fazer o bem.
 

Sublime Redenção - Milton Azevedo


 

sábado, 12 de agosto de 2017

Paternidade de Deus.



Meu Pai Celestial

O fato de chamarmos Deus de "Pai" é motivo de muitas discussões hoje. Embora Deus transcenda a sexualidade, não sendo nem homem nem mulher, os escritores da Bíblia foram inspirados a chamá-lo por pronomes masculinos. o Espírito de Deus capacita os cristãos a chamarem Deus de "Aba, Pai" (lit. "paizinho", Rm 8.15)

Deus revelou-se no AT como "Pai" (Jr 3.19), e este foi o termo que Jesus usou quando falou com Deus (Jo 17). A paternidade de Deus não é meramente uma das muitas "metáforas de Deus". O termo tem classe própria, o que os estudiosos chamariam de analogia sui generis. O termo "Pai" não só nos mostra o que que Deus faz - ou com quem se parece algum aspecto do seu caráter, mas também identifica quem realmente ele é. O mesmo não pode ser dito sobre outras metáforas bíblicas de Deus como "árvore", "rocha", "galinha", "dona de casa".

A verdadeira paternidade é baseada no ser de Deus - na base da relação do Deus Pai com o Deus Filho e o Deus Espírito Santo. A paternidade humana não é nada mais que um símbolo imperfeito dessa realidade transcendente. A paternidade de Deus não é inconsequente ou passível de alteração, pois Deus determinou o relacionamento com os cristãos da seguinte forma: "serei vosso Pai, e vós sereis para mim filhos e filhas, diz o Senhor Todo-Poderoso" (2Co 6.18)


Bíblia da Mulher - Pag 1415 - Editora Mundo Cristão 


 

sábado, 5 de agosto de 2017

Sem mais desculpas.




Portanto, os críticos da religião nem sempre estão errados em apontar as falhas e deficiências na cristandade. Esta simplesmente não é a história toda. Só crer em Deus e conhecer o bem e o mal não vão fazer você escolher o bem e rejeitar o mal. Saber disso tudo só significa que você não tem mais desculpas. A Bíblia adverte que até mesmo os demônios creem em Deus e até tremem (ver Tiago 2.19).

Mas a graça é o resultado do Espírito de Deus agindo no coração humano e nos capacitando a vencer o mal. Há milhões de crentes verdadeiros que estão servindo a Deus fielmente e também servindo a seus semelhantes por meio de atos de bondade, integridade e serviço. Por suas vidas, Deus derramou graça, como um aqueduto levando água fresca ao deserto. Devido a esta graça, a vida pode surgir a partir da morte.



Deus não está morto - Rice Broocks